domingo, 31 de dezembro de 2017

adulescens

Minha sorte veradeiramente minha sorte
foi um programa aleatório gritar que
que eu deveria ter algo novo.
E aí percebi que "novo" não dá pra flaggear.
E eu não quero ser nova
Nem velha, nem moderna
Sendo que eu, enquanto o que sou,
Só posso ser velha ou moderna
Só posso viver entre todos os erros e acertos
Eu!
Este que é impossível de definir, de deificar.
Eu mesma me sinto tão rouca, tão pouca
tão baixa, tão reles
Não é como se o que eu escrevesse pudesse ser qualquer coisa
e não será nunca
e esta é a premissa toda.

Se você não entende a premissa, então o melhor será ignorar toda a poesia aleatória que vem depois.
.